sábado, 23 de janeiro de 2010

ESTREIA DIA 30 DE FEVEREIRO


Não é de hoje que eu queria te contar
Que eu queria me desvincular
Que eu te escrevi uma carta
Porque ao vivo sou fraca
Funciono melhor no papel
Ou na tela do computador
Mesmo depois de eu já ter ido embora
Muito tempo antes de você
Hoje parece que ainda ficou algo aqui dentro
Que ainda não consigo perceber
Mas que achei que não fosse sentir
Dá um delete em tudo por mim?
E aproveita e apaga também o que não for virtual
Sou assim
Ou tenho o papel principal
(E você brilha comigo)
Ou abandono o espetáculo no meio
(E você fica sem a deixa)
Deixa pra lá
Afinal,
De que adianta tanto ensaio
Se a estreia nunca vai mesmo chegar?

2 comentários:

A Moni. disse...

Já havia lido várias coisas suas no outro blog, coisas de quem vive só ou nem tanto, mas assim se sente.

Não diferente, aqui também me encontrei. E é essa a magia da poesia: suga-nos pra dentro dela. Outos sentidos, outros endereços, outras caras, outras faltas. Mas ainda assim, o encaixe. E a gente percebe que bem poderia ter escrito isso... Quem nunca se sentiu assim ouvindo Chico, por exemplo?

É bom poder estar por aqui. Obrigada pela leitura, tão fielmente partilhada!

B. disse...

Obrigada,A. Moni!!!Que bom que vc tá por aqui também!

Pois é..quando a gente lê certas coisas às vezes pensa: tb sinto isso, podia ter escrito!

Por isso é bom ter um blog...

Beijo!